INTOLERÂNCIA ALIMENTAR

YORKTEST

Sempre tive imensa curiosidade em fazer o teste de intolerância alimentar, não por me sentir mal, não é o meu caso, mas porque há sempre algum alimento que faz menos bem ao nosso corpo, que nós nem imaginamos e a factura só se paga daqui a alguns anos.
A convite da clinica Longavitas experimentei o YORKTEST, é lider de excelência em intolerância alimentar e através de um teste de sangue avalia as reacções dos nossos anticorpos (IgG) aos alimentos e bebidas que consumimos. Intolerância alimentar é diferente de alergias alimentares, atenção, a intolerância a alimentos e a bebidas não apresenta qualquer risco de vida, embora certos alimentos nos façam sentir e passar mal. Por exemplo no meu caso relectia-se na pele e na barriga inchada principalmente, mas que por eu ter uma actividade física muito activa não tenho os mesmos sintomas que uma pessoa que não treina, porque eu liberto as toxinas através da transpiração (por isso é que treinar é muito importante).
A intolerância pode dar-se também pelo excesso de consumo de algo mas que após a dieta de eliminação de acordo com os resultados dos testes consigamos voltar a reintroduzir esse alimento ou bebida novamente na nossa vida.
Hoje em dia é bastante complicado conseguir fora de casa uma alimentação rica e saudável, resta nos em casa conseguir controlar o que comemos e fazer as escolhas certas.

Bem, depois desta introdução vou contar o que me aconteceu que nem sempre foi tudo maravilhoso e fantástico como imaginam.

A primeira etapa é fazer a colheita, até ai tudo bem, não custa nada é só uma picada no dedo e tiram um bocadinho de sangue que vai para análise. Esperei ansiosa 2 semanas pelo resultado, em que nada fiz para alterar a minha dieta, continuei com os mesmo hábitos. São testados 158 alimentos e desses serão destacados os positivos, aqueles que apresentam reacção e por graus.

Passado duas semanas.. chega o resultado por email… Liga-me o João da clinica a dizer que posso ir ao meu email que já tenho o resultado para eu ver e depois marcar a consulta com a nutricionista e ai começar a dieta. Adivinhem só onde eu estava..? no supermercado!! E pensei: “E agora? se estou a comprar algo que sou intolerante?” Não pensei mais e comprei tudo como se nada fosse.
Chegada a casa e depois de abrir o resultado, não foi logo perceptível à primeira ou eu é que estava em negação.. Vermelho, amarelo e verde.. ok devem ser os níveis de intolerância, o vermelho soa sempre a problemático. OVO? o ovo está no vermelho? OVO = gema + clara ? NÃO!! eu como ovos todos os dias! Eu adoro comer claras!!!! Impossível, isto deve estar tudo mal! (1º reacção) já sei o que foi, neste mês fiz o roteiro rural andei de hotel em hotel comi muitos ovos ao pequeno-almoço e claro acusou ovos! mas eu não sou (como é obvio) intolerante ao alimento que eu mais adoro. (2º reacção) E agora comprei 12 ovos que vou fazer a eles? ahhh vou fazer uma salada de feijão frade e cozer 3 ovos!!!! (3ª reacção em tom de despedida).

No amarelo estava o fermento… e depois a cebola crua 🙁 e uvas pretas. Ok…. fermento tenho de pensar melhor sobre isto, mas agora também me querem levar a cebola? Para mim salada sem cebola é igual a carro sem combustivel. Não dá!!!! Adoro cebola cheia de vinagre… Ok vou continuar a fazer a minha salada de feijão frade e claro com cebola.

Como podem ter percebido foi uma autentica tristeza saber as minhas intolerâncias, fiquei triste e perdida no meio dessa informação. Lá marquei a consulta para poder esclarecer como passar por esta mudança alimentar. Só passado duas semanas tive a consulta e nesse período não fiz dieta, mas pensava muito sobre o assunto, para mim tudo tinha ovo, tudo tinha fermento, tudo tinha cebola, quase parecia uma perseguição!

A consulta com a nutricionista foi bastante esclarecedora, mas não consegui disfarçar a minha tristeza. Descobri que o fermento era tão ou mais grave que o ovo, que o fermento significa tudo o que é fermentado, pão, vinagre, queijo, fruta durante a refeição, bolos, salgados, bebidas alcoólicas, iogurtes, tudo isto era sugerido que saísse da minha alimentação. O meu primeiro pensamento é que ia passar fome!! Eu sou magra mas eu como imenso, e tudo o que a Drª me dizia eu comia… todos os dias… e agora?!
Depois de imensas alternativas e de uma dieta passada, fiquei animada, porque a Drª não dramatiza nada e motiva-nos imenso nesta nova etapa. Depois de uma lista extensa de alternativas mais saudáveis tive de ir ao supermercado e começar a ler os rótulos. E o desafio era passar por uma fase de teste de 3 a 6 meses sem consumir estes aliementos. E já comecei, digamos que não estou a 100%, mas estou a 70%, estou mais atenta, bani os ovos da minha alimentação e sinto resultados na pele!
Mais do que fazer o teste das intolerâncias e banir alimentos da nossa vida é ter noção do que comemos e estarmos mais atentas, e foi o que aconteceu comigo, já evito comer estes alimentos e tento encontrar alternativas principalmente quando como fora de casa, não é fácil dominar a nossa cabeça e a nossa fome de comer o que nos faz mal é uma ginástica mental mas que tem resultados positivos na nossa vida e que melhora várias aspectos.

Há pessoas que sofrem de dores de cabeça, fadiga, indisposição, etc, pensam sempre que precisam de férias, mas depois nas ferias cometem 3 vezes mais os erros. Atenção aos sinais do vosso corpo! Ele está a tentar falar com vocês dizendo que algo está errado e tem de mudar/parar! Façam o teste! É um investimento para a vossa vida/saúde, se não o fizerem vão continuar a cometer os mesmos erros e mais tarde vão pagar outra factura… a da farmácia.

Ninguém disse que ia ser fácil, mas resulta!

Daqui a 3 meses dou noticias!

Para informações sobre o YORKTEST cliquem aqui e façam a vossa marcação!

Obrigada Longavitas!

Share on Facebook53Tweet about this on TwitterShare on Google+0Pin on Pinterest0Share on Reddit0Share on Tumblr0